sábado, julho 17, 2010

HOJE

Já falei que acredito por tudo que sou resultado de um milagre (ou melhor merecimento da minha mamis, meu tb e misericódia de Deus) citei em outro post do "porquê" acredito, mas falarei novamente:
Minha mãe sonhava com uma menina, pois já tinha engravidado de uma menina e essa morreu pequenina, depois dela só teve meninos (dois) e sinceramente falando não era muito do agrado dela, contudo só vinham meninos (tudo tem sua hora e proposito - pois Deus é justo e misericordioso). Quando ela finalmente engravidou de pessoa aqui, descobriu durante o pré-natal que estava com uma doença que traria sequelas ao babe se esse sobrevivesse, mas seguiu-se com o tratamento e segundo a minha mãe foi uma das gravidez mais tranquila que teve, contudo, em Recife no mês de julho é festa da Nossa Senhora do Carmo, padroeira do Recife e tem muitos fogos e agitação durante essa época, mesmo assim ela foi na festa no dia 16 de julho de 1977 e voltou normal.
No domingo (17 de julho de 1977) depois de fazer algumas tarefas como lavar e passar as minhas roupinhas por volta das 16:00 sentiu umas puxões e foi ao hospital de ônibus. Isso aos sete meses de gestação. Chegando lá as enfermeiras do hospital onde ela iria fazer a cirurgia do parto e ligadura direcionaram-na ao setor de espera, onde as mães que não estão preste a ter filhos ficam e foram informar ao cirurgião, que estava dormindo segundo relatos da minha mãe.




Na verdade, eu estava apressada (sempre) pra vir ao mundo, não queria ficar mais dois meses e minha mãe entrou em trabalho de parto (sem dor), foi quando as enfermeiras supresas levaram-na para sala de parto, mas quando o cirurgião chegou eu já tinha nascido, às 17:30 num lindo domingo.




Quando nasci fiquei um tempo no setor neo natal (uma UTI prórpria para babes assim) e quando fui pra casa, sempre comia muito pouquinho e precisava de muito cuidados, fui um tanto sensivel, isto é, as doenças que em outras crianças eram coisas simples no meu caso era mais grave e até hoje.
A superação vinculada a condição orgânica, pois não posso me considerar uma pessoa com deficiencia de aprendizado pois sempre aprendi muito rápido as coisas; não tenho dificuldades pra andar, sempre faço check-up oftamo e não tenho problemas de visão e sinceramente fora a alergia severa que ainda me segue, estou bem.
Quanto a superação espiritual é mais difícil, entretanto já passei por muitas coisas boas e outras nem tanto, mas estou "viva" e posso mudar um pouquinho a cada minuto que se passa. Estou mais crente na vida, aprimorando mais a minha fé, minha esperança e sendo amorosa. E o primeiro exemplo de amor incondicional é o da minha mãe.

Da esquerda para direita: Eu, minha mãe, amigos imã Vera e o Pr. Alfredo, ambos da igreja onde minha congrega

Agradeço a Deus por todos que verdadeiramente me amam e peço coragem e humildade para transformar alguns entraves junto aqueles que não são tão chegados a mim. E que esse ano seja melhor que o anterior.
















Feliz dia!!!

Um comentário:

Maria José disse...

Feliz vida para você, minha amiga. Com essa história tão linda, e principalmente pela fé que permeia seu coração. Continue acreditando e tendo pensamentos positivos. O mundo precisa de gente como você. Beijos e fique com Deus.